Blog do MAZEzito

Alto das Eiras (7 caminhos)

June 14th, 2011


 

Castelo de Vermoim

Neste local, terá existido em época medieval, um “castelo roqueiro”, isto é, um castelo do tempo da reconquista, que para a sua implantação, aproveitava os maciços rochosos, típicos da paisagem granítica (“o caos de blocos”).

A primeira referência a este castelo é uma breve notícia do Annales Portucalenses Veteres, que relata uma incursão normanda, no ano de 1616, tendo provavelmente sido abandonado em finais so século XIV.

Actualmente é apenas um bloco rochoso onde se notam estruturas escavadas na rocha. A norte existe um entalhe no rochedo, que seria uma estrutura para encaixe da porta, e a sul e sudoeste, alguns entalhes de alicerces.

Á superfície notam-se inúmeros fragmentos de telha e algumas formas cerâmicas com características medievais.

Não foi ainda determinado se dois taludes ou três fossos, que reforçam a defesa na ligação do esporão, pertencem a esta época ou á anterior ocupação, da Idade do Ferro.

Ligada ao bloco rochoso no qual assenta o castelo, existe uma lenda que fala de uma moura, guardiã de um tesouro que o penedo encerra.

 

Castro da Santa Cristina

Apresenta uma plataforma central definida por um talude que vai de encontro no lado Noroeste a um afloramento de grandes monólitos, cuja escarpa proporciona uma defesa natural por excelência. Para Oeste existe, ainda, uma estreita plataforma limitada por uma muralha pétrea, visível nalguns dos seus troços e reforçada do lado Sul-Sudoeste com um fosso e talude. Para Leste e Este-Nordeste detectam-se, no seguimento da acrópole, mais duas plataformas, e cerca de 250 metros mais adiante um novo talude que orientando-se para Oeste parece ir entroncar na muralha pétrea.

 

Mamoa 1

“Tumulus” de terra e pedras de forma sub-elíptica, com uma grande depressão central, onde é visivel um marco divisório com as letras S.C., indicativo do limite de freguesia de S. Cosme do Vale.

A investigação levada a cabo até ao momento revelou um tumulus sub-eliptíco(constituido por terra e pedras) bastante danificado, ao contrário do contraforte da câmara funerária e possível corredor de acesso, onde se encontra numa parte significativa bastante bem conservada. Foram ainda localizados dois dos esteios (ortostatos)  que formariam a câmara funerária.

O espólio recolhido conta com algumas lascas de sílex e um núcleo, alguns fragmentos cerâmicos, dois dos quais decorados, mas que não permitem qualquer reconstituição de formas. De referir ainda o aparecimento de uma fíbula em bronze, provavelmente oriunda do Castro de Vermoim ou do Castro de Santa Cristina, que se localiza nas proximidades deste núcleo megalítico. Foram ainda recolhidos alguns seixos rolados.

 

Mamoa 2

Tumulus de terra e pedras, ligeiramente assoreado, de forma sub-elíptica, com grande depressão central onde é visível um esteio em granito e um marco divisório com as letras S.C., indicativo do limite de freguesia de S. Cosme do Vale

 

Mamoa 3

De “tumulus”, com forma sub circular, constituído por terra e pedras, possui uma depressão central onde ainda são visíveis dois esteios. De todas as mamoas da zona esta é a que se apresenta mais degradada tendo sido, inclusivé, cortada a Noroeste pelo estradão que liga Santa Cristina às Eiras.

 

Mamoa 4

Apresenta um “tumulus”, baixo, bastante assoreado, de forma sub-circular, vestígios de couraça lítica e dois esteios, um em pé e outro tombado.

 

Sete  Caminhos

Em dois locais do monte pode-se encontrar uma entrelaçada de caminhos, caminhos esses que se separam posteriormente ainda em mais caminhos, ficando assim aquele local conhecido como os sete caminhos…

 

In:

http://www.terrasdevermoim.com

http://arqueologia.vilanovadefamalicao.org/

 

Nunca senti tanto o desejo que as férias de Agosto cheguem rápido como agora, pois este ano conto os dias que faltam para elas chegarem, porque se tudo correr bem até ao dia 13 de Agosto iniciarei uma longa jornada. Porém, não é uma jornada pelas praias a bronzear, mas sim uma jornada de 217Km a pé desde a Igreja Matriz de Famalicão até à Catedral de Santiago de Compostela…

Posso dizer que já há muito é esta uma das minhas ambições e espero concretiza-lo este ano, um desejo que muito também se intensificou por causa de um filme que vi muito recentemente chamado “The Way” (O Caminho). Fiquei fascinado ao ver o filme e posso desde já dizer que ao longo do filme a pergunta que mais se destacou foi “Porque fazes o caminho?”. Quanto a mim, posso dizer que espero encontrar a minha resposta ao longo desta jornada, e quando chegar a Santiago de Compostela já a ter encontrado…

Como é óbvio não deixarei escapar também todas as geocaches que aparecerem pelo caminho, estou curioso pelos loogs dos que já fizeram a mesma experiência que vou fazer…

Na minha companhia vai o Ricardo Ezequiel, mais conhecido pelo Ricardinho que me minou a cabeça e que também quer realizar isto comigo, tanto eu e ele sabemos o que nos espera, mas estamos confiantes. Não vamos fazer o caminho pelas horas dos Albergues e se tivermos de algum dia dormir ao relento estaremos preparados. Quantos aos rios que passarmos não vão escapar de certeza a um mergulhito. Quanto à viagem de regresso viremos de comboio com troca dele em Vigo e com certeza que durante a espera pelo internacional português não vão escapar as famosas praias de Vigo.

Até lá estamos a realizar umas pequenas caminhadas, a última foi de apenas 30Km…

Só desejo realizar “um bom caminho”…

163 Km em linha recta


Mapa do caminho com os albergues que vamos passar (217Km)


 

Foi num acampamento de final de CIP na Apúlia em que podemos dar um pouco de alegria aos miúdos de uma instituição da zona, foi uma tarde de jogos tradicionais na praia e muito mais, onde os miúdos ficaram também a conhecer melhor os costumes dos escuteiros já que foi dado um lenço a cada um e estavam divididos pelas nossas equipas.
Posso dizer que pela expressão deles estavam muito felizes pois tiveram uma tarde diferente  fora dos muros da instituição que os acolhe.
Não coloquei fotos nem ninguém tirou nenhuma com os miúdos, como é óbvio, e por questões de privacidade já que se tratam também de crianças protegidas.
Foi um dia bem passado, já que é uma das coisas que mais gosto de fazer, trabalhar com crianças.
Quanto a vaca que aparece na imagem fui eu que a fiz,  é a Vaca Sagrada, que se enquadrou no imaginário do acampamento como Madre Teresa de Calcutá divertiu-se muito a pastar no campo…

 


Num acampamento de escuteiros de final de um cip e depois de uma actividade de solidariedade com uns miúdos de uma instituição da zona, no qual podemos dar uma tarde diferente a estes miúdos com muitas brincadeiras e jogos lá tive um tempo livre no final para tentar fazer esta cache, que estava mais perto e mais convidativa a fazer-lha, mas como não tinha qualquer informação da mesma como muitos que tentaram fazer-la nas mesmas condições invadi ilegalmente o parque de golfe mas depois lá percebi o esquema, e dei com a famosa entrada a prova de bolas perdidas de golfe…
Encontrar a cache depois foi fácil…
Ainda queria tentar fazer a outra que estava a 800 metros mas tinha de atravessar o parque de campismo a meio e o sol estava mesmo a pôr-se onde tive oportunidade de tirar umas fotos espectaculares e até fazer um vídeo do túnel…
Adorei…

Já no caminho para casa já com 3 caches feitas muitos quilómetros em cima da bicicleta olho para o GPS e reparo numa cache na rua lá para cima, não estava nos meus planos faze-la e sem saber nada dela fui ao local e só podia ser mesmo ali naquela pedrinha, mas fiquei logo decepcionado não podia fazer o loog porque estava impossível com aquela água toda…
E muito pela culpa das sacas de plástico que fazem a humidade ficar mais tempo, o taparuere aguentava bem sem elas e era capaz de hoje poder fazer o loog…
E foi esta a ultima num dia bem passado dedicado as caches…




Numas minis férias já com muitos quilómetros na bicicleta e duas caches já feitas esta foi a terceira…
Encontrada facilmente com uma excelente vista do rio ave…
Já numas coordenadas longe de casa era melhor pôr-me logo caminho e não ficar muito tempo parado como costumo fazer a admirar as caches se não podia chegar mesmo de noite pois o caminho ainda era longo e fui por um caminho diferente e até apareceu mais uma cache pelo meio que não contava fazer, foram um total de 4 caches feitas que me deram excelente dia bem passado…




Depois da cache lá do alto de “SÃO JOÃO DO CARVALHINHO” chegar a esta de bicicleta foi sempre RABADAR por ali a baixo…
Desconhecia completamente um parque tão bonito e bem conservado…
Era fantástico, eu a procura da cache e aquelas motas todas a pedal a passar por mim…
O local estava mesmo a pinha mesmo sendo um dia a meio da semana, o que prova mais uma vez que S.Tirso se pode dar ao luxo do excelente parque que tem…



Umas minis férias passadas a pedalar muitos quilómetros e claro a fazer umas caches pelo meio…
Depois de uma subida para chegar ao local desta menina encontrei um lugar fantástico e calmo a não ser os cães que vigiavam ferozmente a capela quanto ao parque está muito bem arranjado gostei…
O que não gostei foi dos pontos intermédios muita palha para dar com uma simples cache…
Mas sem grandes dificuldades e encontrada nas calmas…

Já a muito queria fazer esta cache hoje foi o dia, numas pequenas férias, peguei na bicicleta e pus-me a caminho…
Foi fácil de fazer as contas dos pontos intermédios para dar com a final que nem foi preciso muita procura só podia ser mesmo ali.
Gostei principalmente da homenagem aos escuteiros porque também sou um deles e é das coisas que mais gosto de fazer e que me dá mais alegria…
A cache no local que está podia ser small e só é mesmo pena esta cache ser tão pouco visitada…

Em pleno monte da Santa Tecla mais apropriadamente em N41 25.079 W8 24.161 pode se encontrar um ambiente um pouco fora do normal…

Só tenho a dizer não visite este local em plena noite nunca se sabe se o mesmo pode acordar as imagens dizem por si…

Não sei o autor da proeza mas que teve trabalho e imaginação teve…

Uma cache também pode-se encontrar neste mesmo local: (gc2nay6)

Este Blog é da autoria do MAZE. Tema criado de raiz por MAZE.
Copyright © Blog do MAZEzito. All rights reserved.